A Finalidade deste blog tem como objetivo, repassar para nosso povo: "Anoticia , Educação, Cultura, Esporte e Lazer" A Realidade da nossa TERRA, da nossa GENTE, da querida e amada ALTO OESTE.

Nosso E-Mail joseradiocaripina@Gmail.com o Novo Email blogradiocaripina@hotmail.com

sexta-feira, 16 de março de 2012

Moradores de Luís Gomes (RN) estão sem água há 139 dias e vivem castigados pela seca

Moradores do município de Luis Gomes (450 km de Natal) estão sofrendo há 139 dias com a falta de água nas torneiras. O problema ocorreu depois que o único manancial que abastece o município, o açude dona Lulu Pinto, secou. Eles se queixam de que os caminhões-pipas, que trazem água diariamente enviados pela Caern (Companhia de Águas e Esgotos do RN) para minimizar os transtornos, não são suficientes para atender a todos, que se veem obrigados a comprar água a preços exorbitantes, que chegam a R$ 350 por mês.


Moradores de Luís Gomes (RN) fazem fila para conseguir água fornecida por caminhão-pipa
Há pouco mais de quatro meses, a cena de mulheres, homens e até crianças carregando baldes com água tornou-se rotina no município, que tem 9.610 habitantes, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). De acordo com moradores, nos últimos três meses choveu pouco no município, e a água da chuva não foi suficiente para manter o açude com água, que fica a 5 quilômetros do centro da cidade.
“O que tem lá no açude é um lamaçal que secou, e mesmo com a chuva não juntou nenhuma água”, disse a dona de casa Maria Anaída Silva, 40, que estava na tarde desta quarta-feira (14) de prontidão esperando o caminhão-pipa chegar com água. Segundo ela, quem não vai cedo aos pontos de distribuição não consegue pegar água. Sem condições financeiras de comprar água de terceiros, ela conta que acorda ainda na madrugada para ser uma das primeiras da fila para conseguir pegar água do caminhão-pipa da Caern, “que chega às 5 horas da manhã”.
“Quando terminamos de carregar os baldes num carro de mão já é hora de voltar para marcar o lugar na fila novamente para pegar água do caminhão que chega à tarde. Não tenho condições financeiras de comprar água de terceiro, e só a misericórdia de Deus para nos ajudar”, disse a dona de casa, que mora com o marido e o filho.

Reaproveitamento

Se as donas de casa já economizavam água para ajudar a baixar o orçamento, agora estão obrigadas a racionar até a última gota de água do dia ao realizarem os afazeres domésticos. O morador Ananias Vieira da Silva, 50, diz que na casa dele se tornou “lei” tentar reaproveitar a água ao máximo que puder e também mudou a rotina com a troca de roupas.
Silva contou que agora usa mais vezes uma única roupa antes de lavá-la, além de reaproveitar a água do enxágue das roupas nos banheiros da casa. “A situação está muito difícil e já não aguentamos mais viver assim. Quem tem condições, compra água. Quem não tem peregrina para conseguir um balde do caminhão-pipa”, afirmou.
Ele e a família de quatro pessoas gastam 5.000 litros de água por mês e agora têm de desembolsar cerca de R$ 250 para não ficarem desabastecidos. O estouro no orçamento da pedagoga Cláudia Maria Vieira de Morais Gonçalves, 40, pegou a família de surpresa. Ela conta que desde que não tem mais água fornecida pela Caern gasta dez vezes mais com a compra de água.
“Aqui em casa somos quatro pessoas, sendo duas crianças, e mesmo economizando ao máximo estamos gastando muito dinheiro com água. Antes pagávamos entre R$ 27,00 e R$ 30,00 com a conta da Caern e agora gastamos uma média de R$ 300,00 a R$ 350,00 por mês. O valor é exorbitante, mas não temos como viver sem água”, disse.
Cláudia cobrou uma solução da Caern para a situação porque, segundo ela, ninguém consegue manter esse alto custo com a compra de água até o próximo inverno, quando as chuvas voltarem a encher o açude. “Estamos tomando um prejuízo por falha da Caern, pois é inadmissível termos apenas uma fonte de água na cidade. Temos uma adutora que seria a solução do problema, mas está com a obra parada. Sei que a companhia não vai nos ressarcir desse prejuízo que estamos tomando agora”, afirmou Cláudia.

MP cobra solução

A falta de abastecimento de água em Luis Gomes levou o MP (Ministério Público Estadual) elaborar uma ação civil pública com pedido de tutela antecipada quando completou 100 dias sem água nas torneiras de Luis Gomes. O MP deu o prazo de seis meses para que a Caern resolva o problema em definitivo “permitindo a retomada, de forma contínua e ininterrupta, do fornecimento de água tratada encanada nas torneiras das residências.”
A reportagem do UOL entrou em contato com a Caern e, por meio de nota, a companhia informou que a Semarh (Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos) e a companhia reconhecem o problema da falta de água em Luis Gomes, mas atribuem o problema à estiagem, acabou secando o açude Lulu Pinto. A companhia destacou que emergencialmente instalou 18 reservatórios com capacidade para armazenar ao todo 180 mil litros de água por dia. Também são disponibilizados 11 caminhões-pipa - quatro da Caern e do Exército para abastecer diariamente os reservatórios.
A água trazida para Luis Gomes nos caminhões-pipa é captada no município de Rafael Fernandes, a 40 quilômetros. A Caern destacou ainda que “espera que as chuvas previstas para este ano abasteçam o açude com o volume de água suficiente para que o produto volte às torneiras das casas.”
A nota destaca ainda que outras ações estão ocorrendo em paralelo para também minimizar o problema. A Caern e a Semarh informaram vão perfurar seis poços no município, mas sem data para iniciarem os trabalhos. A companhia informou ainda que outra ação será o desassoreamento do açude para que aumente a capacidade de armazenamento de água.
Segundo a Caern, “a solução definitiva para a cidade de Luís Gomes virá com a retomada das obras do sistema adutor Alto Oeste, prevista para este semestre.” A obra é de responsabilidade da Semarh e foi paralisada por falta de recursos. A Caern não informou se existem outros municípios no Rio Grande do Norte com o mesmo problema da falta de água como ocorre em de Luis Gomes.
Fonte: UOL

Nenhum comentário: