A Finalidade deste blog tem como objetivo, repassar para nosso povo: "Anoticia , Educação, Cultura, Esporte e Lazer" A Realidade da nossa TERRA, da nossa GENTE, da querida e amada ALTO OESTE.

Nosso E-Mail joseradiocaripina@Gmail.com o Novo Email blogradiocaripina@hotmail.com

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Projeto Cursinho Logos ;‏ A TRANSMIGRAÇÃO DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL

Esse é mais um texto escrito por um de nossos alunos do Cursinho Logos Vestibulares. O texto trata sobre a “Vinda da Família Real Portuguesa para o Brasil”, dentro do texto podemos perceber muitas mudanças acontecidas em nosso país, mutações essas advindas desse tão importante episódio de nossa história, transformações que no ano de 1822 cominariam em nossa “independência” política.

                                        Cesar Amorim – Professor de História.




A TRANSMIGRAÇÃO DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL

            Dom João VI, segundo filho de D. Maria I, de Portugal, por falecimento de seu irmão mais velho, foi reconhecido, em 1788 herdeiro do trono, com o titulo de príncipe do Brasil. Assumiu a regência do reino em 10 de fevereiro de 1792, em substituição a D.Maria I, que teve alterações mentais.

            No começo do século XIX, Napoleão Bonaparte, imperador da França, dominava grande parte da Europa, era seu desejo dominar a Inglaterra , é tanto que  por três vezes a atacou, mas em ambas fracassou, logo mudou sua tática e passou a querer vencer o país inglês pela economia. Assim, Napoleão decretou o “Bloqueio Continental”, por meio do qual todos os países da Europa eram proibidos de manter relações comerciais com a Inglaterra.

            O rei português vendo-se em situação de difícil escolha, pois por um lado é ameaçado por Napoleão, e por outro pela Inglaterra. D.João recusa-se a cumprir a resolução do imperador francês e embarca para o Brasil, junto com sua elite administrativa, no dia 29 de novembro de 1807, com o apoio inglês.

            Em janeiro de 1808 chegava ao Brasil o príncipe regente D.João, onde foi festivamente recebido em Salvador. Logo nos primeiros dias, D.João tomou medidas de grande alcance para o futuro econômico e político do país: A abertura dos portos brasileiros ao comercio de todas as nações amigas, pois ate então a colônia só podia comerciar com a metrópole portuguesa (pacto colonial).

            Um mês depois, D. João rumou para o Rio de Janeiro.

            No dia 8 de março de 1808 desembarcava a família real no cais da cidade, aclamada pelas autoridades civis e eclesiásticas.

            No mesmo ano de sua chegada D.João VI criou o Conselho de Estado, a Biblioteca Real, a Marinha, a Imprensa Régia, o Banco do Brasil, o Jardim Botânico, a Casa e Suplicação, o Ensino Superior, um Hospital Militar, a academia Real Militar, entre outras beneses ...

             Foi declarada, da mesma maneira, a liberdade para a instalação de Fábricas e indústrias.

            Em 1815, considerando o progresso e importância cada vez maior do país, D.João decretou a elevação do Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algaves. As capitanias passaram a ser chamados de “Províncias”.

            Em 1820, com a morte de sua mãe D.Maria, o príncipe-regente tornou-se rei de Portugal. No ano seguinte, tendo irrompido uma revolução em Portugal contra a monarquia, D.João VI foi obrigado a regressar à sua pátria, ficando o príncipe D.Pedro, como regente do Brasil.

            Por fim, entendemos que a chegada da corte portuguesa ao Brasil não só estimulou o desenvolvimento do comércio, da indústria, das ciências, das artes e das letras em geral, como também preparou clima para apressas a independência do Brasil, que não tardaria a ser proclamada.
Fernanda: Cursa o Segundo Ano do Ensino Médio/ Aluna do Cursinho Logos

Nenhum comentário: